conecte-se conosco

Olá, o que procuras?

Taça de Portugal
Taça de Portugal
A Taça de Portugal está de regresso

Futebol

Estórias da história da Taça de Portugal

A Taça de Portugal está de regresso, com Sporting e Varzim a abrirem hoje a 4.ª eliminatória.  Com o regresso da Taça de Portugal é a altura perfeita para te trazermos algumas estórias que fizeram a história da “prova “rainha” desde a sua primeira edição.

O início

A estreia da Taça de Portugal, que veio substituir o Campeonato de Portugal, teve lugar na já longínqua época de 1938/39 e foi ganha pela Académica, ao vencer o Benfica por 4-3 no Campo das Salésias (o Estádio do Jamor só começou a receber a final em 1946, dois anos após a sua inauguração). Arnaldo Carneiro foi a figura do jogo, ao marcar dois dos golos da Briosa.

A primeira vez sem “grandes”

Em 1942 disputou-se a primeira edição da final da Taça sem a presença de qualquer um dos três “grandes”. CF Belenenses e Vitória SC entraram em campo depois de deixarem pelo caminho, entre outras equipas, FC Porto e Sporting. Os azuis do Restelo foram os grandes vencedores, após marcarem dois golos sem resposta.

A final com mais golos

A final com mais golos (sem prolongamento) teve lugar em 1952 e colocou frente a frente o Benfica, que dois anos antes tinha vencido a Taça Latina, e o Sporting, atual campeão nacional e que ainda contava com os violinos Albano e Travassos no plantel. Após uma alternância louca no marcador, que deixou as duas equipas empatadas a 4 golos, Rogério Pipi deu a vitória aos encarnados a 15 segundos do final, fixando o placard em 5-4.

A final “política”

Estávamos em 1969, em plena crise académica. Os estudantes de Coimbra exigiam mais direitos e melhor qualidade de ensino, mas o governo não cedia à pressão, esforçando-se por a sufocar. Nesse ano, a Académica chegou à final da Taça de Portugal junto com o Benfica, o que seria uma oportunidade perfeita para uma manifestação impactante por parte dos estudantes. Por esse motivo, a realização do jogo chegou a estar em causa, mas acabou por avançar, ainda que sem a presença de altas figuras do Estado e sem transmissão televisiva. A partida decorreu normalmente durante a primeira parte, mas após o intervalo surgiram tarjas no estádio com críticas ao regime, tornando o evento uma manifestação pública contra a Ditadura. Para a história ficou ainda o resultado final, que ditou a conquista do troféu pelo Benfica, após vencer por 2-1.

A maior goleada

A partida com o resultado mais dilatado aconteceu em 1971, com o Sporting a derrotar o Mindelense de Cabo Verde (nesse ano os campeões das colónias portuguesas ainda participavam na competição) em Alvalade por 21-0, em jogo a contar para os oitavos-de-final. Os africanos, que jogavam pela primeira vez num campo relvado, não tiveram qualquer hipótese frente a jogadores como Damas, Fernando Pires ou Marinho, que seguiram assim em frente na competição.

O dia em que o Sporting torceu pelo Benfica

O dia 7 de junho de 1980 ficou marcado por um acontecimento que hoje é, no mínimo, difícil de imaginar. Adeptos do Sporting, que havia conquistado o campeonato nacional nessa época, juntaram-se aos do Benfica no Jamor, apoiando o clube da Luz na final da Taça de Portugal contra o FC Porto. Nos cartazes de apoio verde-e-brancos podiam ler-se frases como “Benfica-Sporting unidos sempre”. No final o troféu foi mesmo para as águias, depois de vencerem por 1-0.

Os heróis improváveis

Depois de 22 anos, o nome Cláudio Oeiras ainda ressoa no imaginário futebolístico. Afinal, não é todos os dias que se elimina o FC Porto no seu próprio estádio. Numa terça-feira de Carnaval de 1999, o Torreense deslocou-se às Antas para defrontar uma equipa que contava com nomes como Drulovic, Aloísio ou Capucho. O jogo seguia empatado aos 87 minutos, quando um jovem avançado de 19 anos, que havia saltado do banco alguns minutos antes, marcou o golo que apurou a equipa de Torres Vedras. Os heróis da Taça, com Cláudio Oeiras em grande destaque, foram nessa noite recebidos em festa na cidade por milhares de foliões. Podemos ainda falar, por exemplo, de Cílio Souza, avançado brasileiro do Gondomar que eliminou o Benfica em 2002, de Orestes, defesa do V. Setúbal e autor do golo que colocou o Sporting fora da Taça em dezembro de 2003, ou de David, avançado do Atlético que eliminou o “golias” FC Porto em 2007 por 1-0.

E tu, tens alguma estória mítica da Taça para partilhar connosco? Aproveita que a Taça de Portugal está de regresso, e enquanto pensas nisso passa por bwin.pt e descobre odds imbatíveis para apostares na prova rainha. Recordamos que Benfica e FC Porto entram em cena só no fim-de-semana, frente a Paços de Ferreira e Feirense respetivamente, mas podes começar já a apostar nestes e noutros jogos da competição.

Já sabes, a Taça de Portugal está de regresso, por isso segue os teus palpites e diverte-te, mas lembra-te, sempre com responsabilidade.

Artigos que também podes gostar

Futebol

Dezembro chegou e trouxe com ele o espírito natalício com o Passatempo Magia de Natal! De 1 a 24 de dezembro, a bwin vai...

Apostas

A bwin chegou a Portugal a partir da compra através da Entain das licenças que a bet.pt possuí para operar em território nacional. Quer...

Futebol

O Newcastle foi adquirido recentemente pelo Public Investment Fund, liderado pelo príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman. Segundo consta, tem uma fortuna...

Futebol

Pedro Correia, Ró-Ró para os amigos, nasceu no bairro do Casal de São José em Mem Martins, Sintra, e é atualmente é internacional pelo...